Operação Ato Final em São José de Piranhas PB, desarticula grupo criminoso suspeito de tráfico e homicídios Operação Ato Final em São José de Piranhas PB, desarticula grupo criminoso suspeito de tráfico e homicídios Operação Ato Final em São José de Piranhas PB, desarticula grupo criminoso suspeito de tráfico e homicídios

BANNER PRINCIPAL

SUPER BANNER

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Operação Ato Final em São José de Piranhas PB, desarticula grupo criminoso suspeito de tráfico e homicídios







Foi desencadeada nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (25) nas cidades de São José de Piranhas, Aguiar e Cajazeiras, no Sertão paraibano, a ‘Operação Ato Final’. Conforme a polícia, a mega operação teve por objetivo a desarticulação de um grupo criminoso responsável pelo tráfico de drogas, roubos e execuções de pessoas nos municípios citados.

Ao todo, foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão e 11 de prisão temporária, expedidos pela justiça. Cerca de 100 policiais civis, militares e do Corpo de Bombeiros, participaram da ação.

Ainda segundo dados da polícia, além dos mandados de prisão temporária, uma pessoa foi presa em flagrante, totalizando 12 indivíduos presos, e entre eles uma mulher.


Os presos foram encaminhados à cadeia de São José de Piranhas, com exceção do preso de Aguiar que ficou detido na região do Vale do Piancó, e a mulher que foi conduzida ao presídio feminino de Patos.


Material apreendido durante a Operação ‘Ato Final’ – FOTO: divulgação/PCPB

DESFECHO

No dia 19 de junho deste ano, dois dos integrantes do grupo, estavam em uma vaquejada no município de Aguiar, no Vale do Piancó, local de atuação da quadrilha na distribuição de drogas, quando assassinaram o Sargento da PM Francisco Salviano da Silva. Posteriormente, ambos foram mortos em confronto com a Polícia.

Em represália, o grupo matou no dia 08 de julho de 2022, José Carlos Pereira, que sofreu uma emboscada no sítio Boa Vista, município de Aguiar, sendo executado a tiros. O motivo, conforme as investigações, seria que a vítima teria supostamente delatado o local onde estaria os criminosos que mataram o policial militar na vaquejada.

A ORCRIM vinha planejando matar outro policial militar que tinha participado do confronto onde morreram os dois criminosos que mataram o sargento na vaquejada.

De acordo com o delegado seccional de Cajazeiras, Ilamilto Simplício, com essa ação foi possível desestruturar o grupo criminoso e restabelecer a ordem pública.

A Operação policial foi coordenada pelos Delegados Cristiano Jacques e Ilamilton Simplício; além dos Coronéis da PM, Campos, Elder, Terceiro e Saulo além do Major Ugo.