Homens acusados de assassinarem popular no interior de lava jato são condenados a mais de 15 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em Sousa Homens acusados de assassinarem popular no interior de lava jato são condenados a mais de 15 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em Sousa Homens acusados de assassinarem popular no interior de lava jato são condenados a mais de 15 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em Sousa

BANNER PRINCIPAL

SUPER BANNER

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Homens acusados de assassinarem popular no interior de lava jato são condenados a mais de 15 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em Sousa







Teve início por volta das 8h dessa quarta-feira (17), mais uma sessão de julgamento do Tribunal do Júri, no Fórum Dr. José Mariz, na cidade de Sousa, a qual tinha como réus José Edson da Silva, conhecido como “Negrota” e Jefferson Moura da Silva, conhecido por “Jefferson Cigano" que eram acusados de terem assassinado um homem no interior de um lava-jato.

De acordo com as investigações, os acusados teriam por volta das 15h do dia 7 de novembro de 2018, no bairro Raquel Gadelha, em Sousa, assassinado o popular Francisco Antônio Neto, por motivo fútil utilizando-se de meio cruel e que dificultou a defesa da vítima. A sessão foi presidida pelo Juiz de Direito Dr. José Normando Fernandes, o representante do Ministério Público foi o Dr. Manoel Pereira de Alencar, e a defesa dos réus foi patrocinada pelos advogados Abdon Lopes e Luanda Morais.

Em plenário, o representante do Ministério Público, pugnou pela condenação dos réus, nos termos da Sentença de Pronúncia, já a defesa, por sua vez, utilizou a tese de negativa de autoria requerendo a absolvição dos acusados. Por maioria de votos, o Conselho de Sentença reconheceu a materialidade do delito, decidiu pela condenação dos réus, que o crime foi praticado por motivo fútil e cruel, e foi cometido por meio de recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa da vítima.

Por fim, o Juiz proferiu a sentença condenatória fixando a pena de 16 anos de reclusão para o réu José Edson da Silva e de 18 anos de reclusão para Jefferson Moura da Silva, que deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado.