Delegado paga fiança para idoso deficiente, preso com espingarda artesanal, não ir para a cadeia, na PB Delegado paga fiança para idoso deficiente, preso com espingarda artesanal, não ir para a cadeia, na PB Delegado paga fiança para idoso deficiente, preso com espingarda artesanal, não ir para a cadeia, na PB

BANNER PRINCIPAL

SUPER BANNER

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Delegado paga fiança para idoso deficiente, preso com espingarda artesanal, não ir para a cadeia, na PB





Um delegado da Polícia Civil da Paraíba decidiu pagar, do próprio bolso, a fiança de um idoso de 61 anos, deficiente, que havia sido preso pela Polícia Militar com uma espingarda artesanal e apresentado na delegacia de Itabaiana, no Agreste paraibano.

A prisão foi na quarta-feira (20), mas o delegado disse que se solidarizou com a situação do idoso e resolveu pagar a fiança para que ele não fosse para a cadeia aguardar a audiência de custódia.


 
Essa ocorrência chegou aqui no plantão em Itabaiana, veio da cidade de Mari. Quando o cidadão estava portando uma pequena espingarda de fabricação caseira. Chegando lá, tive de fazer a autuação e quando, no momento da cobrança, eu vi as condições que ele não tinha, deixei em 400 reais. Ele disse que não tinha e eu disse: '100 reais, você tem?', porque eu não posso liberar sem o pagamento de fiança. [...] e ele disse: 'não tenho condições'. Aquilo me doeu. Eu não vou mandar um cidadão daquele para o presídio por causa de 100 reais", disse o delegado Valdelio Lobo, em entrevista ao Bom Dia Paraíba desta quinta-feira (21).

Conforme o delegado, a prisão havia sido por porte ilegal de arma, uma espingarda do tipo soca-soca. Valdelio contou que o idoso é deficiente físico e mora sozinho em um quarto nos fundos de uma pousada, na cidade de Mari, que teria sido cedida pelo próprio dono da pousada. O idoso não disse para que usava a arma, mas o delegado acredita que ela não funciona.


 
 
Eu vou mandar submeter à perícia e não sei nem se vai dar eficiência para disparo. Mas como se trata de uma arma de fogo, só quem pode dizer as condições dela é o perito. Eu tenho que fazer a autuação. Como é um crime afiançável, eu tenho que oferecer a fiança e, caso ele não tenha como pagar, eu mandaria para a cadeia pública de Sapé, onde aguardaria a audiência de custódia, mas eu me sensibilizei com as condições dele. Aquilo me sensibilizou e eu paguei", completou.

Fonte: G1PB