Acusado de assassinar agente socioeducativo e alvejar duas pessoas na região de Sousa, é condenado a mais de 31 anos de prisão pelo Tribunal do Júri Acusado de assassinar agente socioeducativo e alvejar duas pessoas na região de Sousa, é condenado a mais de 31 anos de prisão pelo Tribunal do Júri Acusado de assassinar agente socioeducativo e alvejar duas pessoas na região de Sousa, é condenado a mais de 31 anos de prisão pelo Tribunal do Júri

BANNER PRINCIPAL

SUPER BANNER

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Acusado de assassinar agente socioeducativo e alvejar duas pessoas na região de Sousa, é condenado a mais de 31 anos de prisão pelo Tribunal do Júri






Na manhã dessa segunda-feira (02), teve início a realização das sessões do Tribunal do Júri da Comarca de Sousa. O caso de destaque julgado nessa data, foi do crime de homicídio que vitimou o agente socioeducativo Hiltom Nogueira do Nascimento que tinha 65 anos e em outras duas pessoas alvejadas no município de Santa Cruz, região de Sousa.

De acordo com as investigações, o acusado identificado como Francisco Antônio da Silva Filho, mais conhecido como "Keka", teria se envolvido em uma confusão com a esposa durante uma festa no dia no dia 03 de janeiro de 2016, e posteriormente foi até sua casa e retornou munido de uma arma de fogo. "Keka" teria desferido diversos tiros que atingiram Hiltom Nogueira, Maria Eliane Nascimento e Guilherme Sarmento Vieira.

Na sessão do júri, após serem apresentados os autos do processo, bem como as narrativas de defesa do réu e a assistência de acusação que ficou a carga do Dr. João Marques Estrela e Silva, o juiz proferiu a condenação de Francisco Antônio da Silva Filho, a uma pena de 31 anos e 6 meses a serem cumpridos inicialmente em regime fechado, pela prática dos crimes de homicídio qualificado e tentativas de homicídio qualificadas.

Relembre o caso: Homem acusado de assassinar agente socioeducativo na região de Sousa é preso em ação da Polícia Civil na Bahia

De acordo com informações obtidas pela Redação do Portal Debate Paraíba, o homicídio foi qualificado por motivo fútil e a traição. O juiz aplicou a pena mínima a cada crime, somadas as qualificadoras, as agravantes, e causas de aumento de pena e subtraídas as atenuantes e causas de diminuição de pena.

O crime contra Hiltom Nogueira resultou em 15 anos de pena, contra Eliane Nascimento resultou em 9 anos e 6 meses, e contra Guilherme Sarmento em 7 anos, ao total de 31 anos e 6 meses. O réu já se encontra preso, após um intenso trabalho investigativo realizado pelos agentes do Grupo Tático Especial (GTE) da Polícia Civil de Sousa, que conseguiu localizá-lo na cidade de Irecê-BA, no dia 06 de outubro de 2021