Depoimento de adolescente que matou mãe e irmão foi vazado por engano, diz Polícia Depoimento de adolescente que matou mãe e irmão foi vazado por engano, diz Polícia Depoimento de adolescente que matou mãe e irmão foi vazado por engano, diz Polícia

BANNER PRINCIPAL

SUPER BANNER

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Depoimento de adolescente que matou mãe e irmão foi vazado por engano, diz Polícia



A Polícia Civil da Paraíba, confirmou nesta segunda-feira (6) que o áudio vazado com o depoimento do adolescente suspeito de matar a mãe e o irmão e atirar contra o pai, é verdadeiro. Em entrevista ao Programa Hora H, da Rede Mais Rádios, o delegado-geral da Polícia Civil no estado, André Rabelo, alegou que o vazamento ocorreu por engano.

De acordo com o delegado-geral, a disseminação aconteceu após o delegado responsável pelo caso, Renato Leite, encaminhar, sem a intenção, o conteúdo para uma outra pessoa através de um aplicativo de mensagens.

“De fato o flagrante foi gravado por ele. Em um momento, ao invés de mandar para um destinatário, mandou para outro e, infelizmente, isso aconteceu. Temos que ter muita cautela porque não houve dolo, não foi algo doloso”, explicou.



André Rabelo confirmou também que vai investigar o vazamento do conteúdo e que as partes responsáveis serão responsabilizadas. O delegado da Polícia Civil, no entanto, destacou que será considerado por parte da entidade o fato do erro não ter sido cometido de maneira intencional.

“Esse momento que a gente vive, de mídia, de redes sociais, que vocês conhecem tão bem, é tudo muito perigoso. Uma tecla a gente coloca para a pessoa errada e isso pode acontecer. Tudo deverá ser apurado e as responsabilizações virão. Houve um encaminhamento errôneo junto com outro material e aconteceu o vazamento.”, completou.

O caso

Um adolescente de 13 anos confessou ter matado a mãe, o irmão de sete anos e atirado contra o pai, nesse sábado (19), em Patos, Sertão paraibano. De acordo com o depoimento prestado pelo suspeito à Polícia Civil, o crime teria acontecido após ele ser proibido de jogar virtualmente e ser cobrado para tirar boas notas na escola.

O pai do menino, identificado como sendo o sargento Benedito, tinha saído de casa, mas antes tirou o celular do adolescente por conta do mau-desempenho escolar. Ele foi baleado pelo próprio filho quando chega em sua residência e segue internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. A previsão da equipe médica é de que em até 48 horas ele receba alta para a enfermaria. Há a possibilidade do sargento ficar paraplégico.

MaisPB


Ouça a entrevista completa ao programa Hora H: