Tia de vítimas de acidente em Cajazeiras desabafa e pede justiça; empresário nega as acusações Tia de vítimas de acidente em Cajazeiras desabafa e pede justiça; empresário nega as acusações Tia de vítimas de acidente em Cajazeiras desabafa e pede justiça; empresário nega as acusações

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Tia de vítimas de acidente em Cajazeiras desabafa e pede justiça; empresário nega as acusações







A reportagem da TV Diário do Sertão entrevistou a dona de casa Josefa Silva, conhecida como Dodô, que é tia da jovem Maria Tamires Silva Olinto, 23 anos, que faleceu na quarta-feira (26), vítima dos ferimentos provocados por um acidente de trânsito que aconteceu no último dia 8 de janeiro, na BR-230, em Cajazeiras.

No acidente, a moto que Tamires conduzia bateu de frente com a caminhonete de um empresário. Na garupa estava uma adolescente de 13 anos, que também é sobrinha de Josefa. Ela segue internada e já passou por alguns procedimentos cirúrgicos, mas não tem previsão de alta médica e corre risco de ficar com sequelas físicas, segundo a tia.

Josefa acusa o empresário Antônio Marcos Ricarte de Sousa, proprietário de uma transportadora com sede em Cajazeiras, de ter invadido a contramão na rodovia e atingido a moto. Além disso, ela afirma que o empresário não prestou socorro às vítimas e teria se evadido do local.

“Foi uma vida que foi tirada na imprudência de um motorista que adentrou na contramão. Minha sobrinha travou uma luta para sobreviver, e só foi clamor. Infelizmente ela perdeu essa batalha e veio a óbito. Ele não deu nenhuma assistência, foragiu do local, escondeu o carro. Essas fotos que estão sendo compartilhadas nos grupos de redes sociais foi a população que tirou no momento exato do acidente, porque o senhor se evadiu do local”, relatou a tia.

“A gente quer justiça, porque deixaram de lado um caso com alta gravidade. Até então nenhuma imprensa tinha noticiado. Eu peço que não deixem ser mais um caso impune, que não deixem ser mais um caso silenciado. Quantas pessoas a gente vai perder de forma trágica porque fulano tem dinheiro e cicrano não tem?”, desabafou.



O outro lado

O Diário do Sertão entrou em contato com o empresário e seu advogado, Francinaldo Bezerra, que nos enviou uma nota de esclarecimento dando a versão do emprário acerca do acidente. Na nota, o empresário nega as acusações feitas pela tia das vítimas, afirma que prestou os primeiros socorros e ficou no local até a chegada da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

“O sr. Marcos imediatamente tomou as medidas necessárias ao socorro as vítimas. Ligou para a central de emergência do SAMU e fez os contatos devidos, de modo que de imediato foram enviadas duas ambulâncias viaturas ao local. O sr. Marcos, de imediato, também ligou para as autoridades responsáveis da PRF, Polícia Rodoviária Federal, e relatou a ocorrência dos fatos, permanecendo no local para socorrer as vítimas, conforme testemunhas e familiares das vítimas, bem como amigos íntimos. Mesmo em estado de choque, Marcos tomou todas as providências possíveis para conseguir socorrer as duas, chamando toda sua equipe de funcionários de plantão para ajudar no que fosse possível”, diz trecho da nota.

Ele afirma que desde o dia do acidente, vem acompanhando a situação clínica das vítimas e prestando a assistência necessária que é solicitada pela família e pela equipe médica.

“No decorrer de duas semanas ininterruptas o sr. Marcos tomou todas as medidas cabíveis para conseguir o melhor atendimento às duas vítimas, sempre conversando com a equipe médica e diretor responsável pelo hospital para buscar informações precisas e orientação sobre a melhor forma de proceder. Toda a família das vítimas foi devidamente informada quanto ao estado de saúde das duas e todas as exigências feitas pelas mesmas foram rapidamente atendidas, tanto material, como hospitalar e pessoal”.

A versão dele sobre o acidente

Na nota, Marcos relata que a colisão aconteceu quando ele estava fazendo uma manobra para entrar na empresa onde trabalha. Ainda segundo o empresário, Maria Tamires não era habilitada e não poderia estar piloando a moto.

“Ao chegar nas proximidades de sua empresa, convergiu seu veículo D20 a direita para o acostamento para em seguida efetuar a manobra de ultrapassagem em direção a sua empresa e local de trabalho. (…) Maria Tamires, que pilotava a moto, não sendo habilitada, não possuía autorização legal para trafegar em via pública. De fato, a referida jovem não conseguiu desviar a tempo do veículo do sr. Marcos, ocorrendo a colisão entre os dois veículos”.

O empresário garante que não havia ingerido bebida alcoólica e que passou pelo teste do bafômetro da PRF: “O mesmo realizou teste do bafômetro, sendo claro e sem restar dúvidas que o mesmo estava sóbrio e em plenas condições de dirigir, conforme pode relatar o irmão da vítima presente no local e que acompanhou toda a ocorrência policial”.

LEIA A NOTA COMPLETA

No dia 08 de janeiro de 2022, por volta das 15:00H, o Sr. Antônio Marcos Ricarte de Sousa, empresário respeitado na cidade de Cajazeiras, estava retornando de sua propriedade no sitio, no sentido Souza a Cajazeiras, na BR 230, km 05, quando, ao chegar nas proximidades de sua empresa, convergiu seu veículo D20 a direita para o acostamento para em seguida efetuar a manobra de ultrapassagem em direção a sua empresa e local de trabalho. No sentido contrário, em uma moto, vinham as duas moças, Maria Tamires de 23 anos e Cibele de 13 anos. Maria Tamires, que pilotava a moto, não sendo habilitada, não possuía autorização legal para trafegar em via pública. De fato, a referida jovem não conseguiu desviar a tempo do veículo do sr. Marcos, ocorrendo a colisão entre os dois veículos. O sr. Marcos imediatamente tomou as medidas necessárias ao socorro as vítimas. Ligou para a central de emergência do SAMU e fez os contatos devidos, de modo que de imediato foram enviadas duas ambulâncias viaturas ao local. O sr marcos, de imediato, também ligou para as autoridades responsáveis da PRF, Policia Rodoviária Federal, e relatou a ocorrência dos fatos, permanecendo no local para socorrer as vítimas, conforme testemunhas e familiares das vítimas, bem como amigos íntimos. Mesmo em estado de choque, Marcos tomou todas as providencias possíveis para conseguir socorrer as duas, chamando toda sua equipe de funcionários de plantão para ajudar no que fosse possível.

As ambulâncias, ao chegarem no local, imediatamente, prestaram os primeiros socorros as duas vítimas e as levaram para o hospital regional de Cajazeiras para receberam o atendimento especializado na UTI. O sr. Marcos permaneceu no local por mais de 1 hora esperando a PRF liberar a cena e realizar o boletim de ocorrência; o mesmo realizou teste do bafômetro, sendo claro e sem restar duvidas que o mesmo estava sóbrio e em plenas condições de dirigir, conforme pode relatar o irmão da vítima presente no local e que acompanhou toda a ocorrência policial.

Mesmo abalado psicologicamente e com princípio de infarto, após o sinistro, o sr. Marcos permaneceu no local para prestar depoimento e junto de seus familiares buscarem informações sobre as vítimas e como ajudar a família nesse momento de crise e sofrimento. Os familiares das vítimas presentes no local receberam toda a assistência possível e esclarecimentos sobre o ocorrido, como pode atestar, o sr. Francisco, irmão da vítima, que permaneceu no local até a retirada dos veículos pela polícia.

Após serem socorridas as duas vítimas foram levadas para o hospital regional de Cajazeiras onde foram submetidas ao processo cirúrgico de emergência, graças a ação rápida do sr. Marcos em prestar o socorro às vítimas. O mesmo, claramente abalado, após prestar depoimento e registrar junto a PRF todo o ocorrido, foi liberado e se dirigiu junto com seus familiares para a UPA, Unidade de Pronto Atendimento. Lá chegando, foi constatado pelos enfermeiros e médicos no local que sua pressão arterial estava muito elevada, acima de 20/10, inspirando cuidados, precisando inclusive ser medicado.

A todo momento a família de Maria Tamires e Cibele foram recepcionados pelos representantes do sr. Marcos e tranquilizados quanto a situação, durante todo o decorrer da cirurgia e procedimentos médicos os mesmo foram informados do ocorrido e devidamente esclarecidos sobre os fatos.

No decorrer de duas semanas ininterruptas o sr. Marcos tomou todas as medidas cabíveis para conseguir o melhor atendimento às duas vítimas, sempre conversando com a equipe medica e diretor responsável pelo hospital para buscar informações precisas e orientação sobre a melhor forma de proceder. Toda a família das vítimas foi devidamente informada quanto ao estado de saúde das duas e todas as exigências feitas pelas mesmas foram rapidamente atendidas, tanto material, como hospitalar e pessoal.

Entretanto, nos últimos dias, informações veiculadas por uma tia das vítimas, lamentavelmente, destoam da verdade, de modo que, embora ainda abalados com os fatos e com todo respeito que desde o primeiro momento nos orientou, se fazem necessários estes esclarecimentos. Tais informações de que o sr. Marcos teria causado o acidente e não teria prestado socorro e assistência são inverídicas é de clara intenção de manchar a imagem pública do sr. Marcos. Os parentes e amigos das vítimas presentes no local do acidente e posteriormente os responsáveis pelas duas foram devidamente acolhidos e recepcionados por toda família e representantes do Sr. Marcos, não restando duvidas de sua preocupação com o bem estar das vítimas e empenho para que as mesmas saíssem dessa situação com vida e bem.

Compreende-se que, neste momento, de dor e angustia o sentimento de raiva e revolta se acenda, mas que fique claro que em nenhum momento o sr. Marcos deixou de prestar socorro a qualquer uma das vítimas ou deixou de apoiar e cuidar das mesmas para que se recuperassem, colocando todo seu empenho para conseguir o que fosse de melhor para ambas as vítimas, conforme a própria mãe de Cibele, e Tia de Tamires, ambas responsáveis pelas mesmas que estavam a todo momento em contato com o sr, marcos e seus familiares, para conseguir o máximo de informações e amplo atendimento possível.

Por fim, não se vislumbra qualquer ato delituoso da parte do sr. Marcos. Trata-se de acidente comum, caso fortuito, que pode se abater sobre qualquer um de nós, infelizmente. Marcos aguarda o oportuno chamamento das autoridades competentes para que tudo seja esclarecido.

Mesmo após o falecimento de Maria Tamires, em nenhum momento, a família da mesma foi desrespeitada ou desmerecida em sua dor e luto, toda a assistência foi oferecida aos familiares.

Nós realmente sentimos muito a perda de Maria Tamires, nenhum de nós queria isto, nenhum de nós desejávamos isto, todos os dias rezávamos para nossa senhora, Marcos e toda sua família está em choque e em luto com a morte de Maria Tamires, desejamos que nosso senhor Jesus Cristo conforte toda a família de Tamires nesse momento de dor e nos solidarizamos com mesma.

Francinaldo Bezerra
Advogado de Antônio Marcos Ricarte

DIÁRIO DO SERTÃO