Em Patos: Comerciantes da Rua Felizardo Leite se unem e optam por segurança privada Em Patos: Comerciantes da Rua Felizardo Leite se unem e optam por segurança privada Em Patos: Comerciantes da Rua Felizardo Leite se unem e optam por segurança privada

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Em Patos: Comerciantes da Rua Felizardo Leite se unem e optam por segurança privada



A cidade de Patos está virando canteiro de criminalidade. Vários assaltos foram registrados nos últimos três dias. A Redação recebeu relatório de vários assaltos que ocorreram em Patos nesta semana. Entre as lojas assaltadas estão: Açaizão, Posto Beira Rio, Pezão Material de Construção, D’anello Confecções, Paizão, Mania de Bicho, Thais Moda Fitness entre outros que estão em averiguação.

Diante da onda de assaltos frequentes na cidade de Patos, comerciantes da Rua Felizardo Leite, no Centro, tomaram atitude para priorizar a segurança dos seus clientes e colaboradores: contrataram segurança privada para garantir segurança e liberdade para trabalhar sem medo, diante aos acontecidos que vem gerando terror e medo entre lojistas e clientes, até está causando prejuízo na queda do movimento de clientes em lojas.

No último sábado, um posto de combustíveis, no bairro Belo Horizonte, foi assaltado duas vezes, em menos de 10 minutos de diferença de um para outro. Além disso, vários homicídios foram registrados nos primeiros dias do ano de 2022 e estão em investigação até o momento.

A onda de violência pode ter ligação com a crise que a Polícia Militar da Paraíba vem enfrentando. Em Patos, a ronda diária está sendo realizada por apenas duas viaturas, enquanto que o patrulhamento de motos está sem poder ir às ruas por falta de equipamentos de proteção individual.

Outro fator que pode ter relação com a crise na segurança é a manifestação legal que vem sendo desencadeada por alguns agentes da PMPB contra o baixo número de policiais para a alta demanda, o que tem levado os agentes a recusarem fazer hora extra, tendo em vista que caiu significativamente o número de voluntários e o corte de benefícios, gratificações e outros direitos que foram adquiridos, mas que estão sendo retirados pelo governador Joao Azevêdo.

Patosonline.com