Advogado mata cachorro a tiros, é preso em flagrante e tem pedido de liberdade negado pela Justiça Advogado mata cachorro a tiros, é preso em flagrante e tem pedido de liberdade negado pela Justiça Advogado mata cachorro a tiros, é preso em flagrante e tem pedido de liberdade negado pela Justiça

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Advogado mata cachorro a tiros, é preso em flagrante e tem pedido de liberdade negado pela Justiça




A Justiça de Goiás negou nessa sexta-feira (24), habeas corpus a um advogado preso preventivamente por matar com tiro na cabeça um cachorro que estava dentro da propriedade de seus donos, em Iporá, na região oeste do estado, a 226 km da capital goiana.

Segundo a investigação, Hugo Amâncio Alves disse que praticou o crime porque o animal mordeu a mão direita dele dias antes.

A decisão é de quatro dias depois do crime, praticado à noite no portão de uma casa na Rua R-2, no Bairro Mato Grosso. As imagens do vídeo de câmeras de segurança mostram que o advogado foi de carro ao local e, após descer do veículo, chamou o animal até o portão da residência e atirou, em seguida.

Manutenção da prisão

Ao negar pedido da defesa pela liberdade do advogado, o juiz substituto em segundo grau do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) Rodrigo de Silveira reafirmou a decisão que decretou a prisão preventiva do acusado. A nova determinação destaca que a medida serve para desestimular a prática de crimes.

“Sem dúvida, em que pese o clamor social, por si só, não ser suficiente para a decretação da medida cautelar, a prevenção de reprodução de fatos criminosos que ameaçam a paz social e a garantia da ordem pública autoriza medidas judiciais que desestimulem ações relacionadas com a infração cometida”, afirma o juiz, em um trecho da decisão