Caso Anielle: suspeito de matar menina vai responder por estupro de vulnerável, diz polícia Caso Anielle: suspeito de matar menina vai responder por estupro de vulnerável, diz polícia Caso Anielle: suspeito de matar menina vai responder por estupro de vulnerável, diz polícia

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Caso Anielle: suspeito de matar menina vai responder por estupro de vulnerável, diz polícia




José Alex da Silva, suspeito de matar Anielle Teixeira, deve responder pelo crime de estupro de vulnerável, segundo informou a delegada Luisa Correia, nesta quinta-feira (28). O corpo da menina de 11 anos foi encontrado no dia 8 de setembro, três dias após o desaparecimento dela na orla de Cabo Branco, em João Pessoa.

Quando foi preso, o suspeito confessou ter matado a garota, mas negou que a estuprou. Mas depois, segundo a defesa dele, alegou ter sido agredido para confessar o crime. Ao G1, Daniel Alisson, advogado de José Alex, disse que só vai se pronunciar sobre o caso em uma entrevista coletiva realizada na sexta-feira (29).

Ainda em setembro, no dia 21, o suspeito da morte da criança foi indiciado pelo crime de homicídio qualificado, após a conclusão do inquérito policial do caso. Cerca de 10 dias depois, após o recebimento de um laudo feito pela perícia criminal, foi indiciado novamente por estupro de vulnerável.

De acordo com informações do Instituto de Polícia Científica da Paraíba (IPC-PB), responsável pela necropsia, o estado de decomposição em que o corpo da vítima foi encontrado prejudicou a realização dos exames e que “não foi encontrado material biológico suficiente em quantidade e qualidade para levantamento de perfil genético”.

Mas, segundo a delegada, esse resultado isolado não atesta ou contesta a suspeita de abuso sexual e que é necessário considerar todo o contexto do crime.

Para a delegada Luisa Correia, a ocultação do corpo da criança, que foi encontrado apenas 72 horas após a morte dela, é um dos agravantes que pode ter dificultado as análises durante a produção. Mas, que esse fato isolado não é capaz de provar que o suspeito não teve envolvimento com o caso.

Ela destaca, ainda, que existem filmagens que mostram o suspeito, que está preso, entrando na mata onde Anielle foi encontrada e saindo do local sozinho.

O caso continua sendo analisado em segredo de Justiça.

Anielle foi encontrada três dias após desaparecimento
O corpo de Anielle Teixeira, de 11 anos, que desapareceu no dia 5 de setembro, foi encontrado na madrugada do dia 8 do mesmo mês em uma mata no bairro de Miramar, em João Pessoa. Conforme informações da Polícia Civil, o corpo dela foi encontrado apenas com a blusa. Ela sumiu na madrugada de um domingo, depois de sair da praia do Cabo Branco de bicicleta com um homem.

Na época, a delegada Luisa Correia adiantou que o corpo foi encontrado com sinais de decomposição, o que levaram a Polícia Civil e a perícia a acreditarem que a criança foi morta logo após a saída da praia, no mesmo local em que o corpo foi encontrado.

Além disso, no corpo, houve sinais de esganadura, mas apenas o laudo pericial poderia confirmar a causa da morte. A perita Amanda Melo revelou que havia suspeita de crime sexual, mas que a situação ainda seria investigada.

A criança teria passado uma sábado na praia com a mãe e os irmãos. De acordo com a mãe da vítima, ela estava com os filhos dormindo em um quiosque, cujos donos são conhecidos da mulher, após passar o sábado na praia.

A mãe explicou que as taxas de transportes por aplicativo estavam muito altas, então resolveu ficar no local e ir embora de manhã cedo. Por volta das 5h, a criança sumiu.

A irmã mais nova da criança teria informado para a mãe que Anielle teria sido convidada a sair com um homem em uma bicicleta e ela não quis ir com a irmã. Depois disso, a menina não apareceu mais.

 

Fonte: Redação do Vale do Piancó Notícias com G1