Em Cajazeiras: Mega Operação será realizada no final de semana pela Vigilância Sanitária e Polícia Militar para coibir festas clandestinas Em Cajazeiras: Mega Operação será realizada no final de semana pela Vigilância Sanitária e Polícia Militar para coibir festas clandestinas Em Cajazeiras: Mega Operação será realizada no final de semana pela Vigilância Sanitária e Polícia Militar para coibir festas clandestinas

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Em Cajazeiras: Mega Operação será realizada no final de semana pela Vigilância Sanitária e Polícia Militar para coibir festas clandestinas



Em reunião realizada na tarde desta terça-feira, 28, na sede da OAB, com a presença do prefeito Zé Aldemir e de representantes da segurança pública (Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros), o Comitê Gestor de enfrentamento e monitoramento à pandemia da Covud-19, decidiu, entre outros pontos, que neste final de semana, vai haver grande operação da Vigilância Sanitária, na cidade e na zona rural, para coibir qualquer tipo de evento que esteja em desacordo com o Decreto Municipal.

Bares, restaurantes e similares serão fiscalizados sob o rigor do decreto, e quem for flagrado desrespeitando as medidas terá o estabelecimento interditado e a notificação será enviada para a Polícia Civil e Ministério Público para aplicação das punições cabíveis, além de multas.

A Prefeitura Municipal, por meio da Procuradoria Jurídica também deverá buscar o Ministério Público para fazer um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para o cumprimento das medidas restritivas de combate à pandemia.

O prefeito Zé Aldemir disse, na ocasião, que continua insistindo no diálogo e acreditando na colaboração de todos para não adotar medidas mais amargas de restrição a esses setores do comércio de bares e restaurantes, mas vai exigir o cumprimento do decreto, que não permite a realização de festas dançantes.

Uma das ocorrencias que chamaram atenção foi no sítio Cabeça da onça.

Relato

Por voltas das 22h30 do dia 26 de setembro do ano em curso, uma Guarnição composta pelo Sargento Jota Vasconcelos e o Soldado Waldiran, foi solicitada pela Central de Operações da Polícia Militar (COPOM), da cidade de Cajazeiras, com o informe de que, uma Equipe da Vigilância Sanitária do Município de Cajazeiras, solicitara o apoio da Polícia Militar, no sentido de dar cumprimento a uma  Norma Sanitária de combate a contaminação do (COVID-19 e variantes), pois, haviam denúncias de que no Sítio Cabeça da Onça, estaria ocorrendo uma Festa dançante, com grande aglomeração de pessoas e em total desrespeito às Normas Sanitárias que estão previstas no Decreto de número:(071/21) que entrou em vigor no dia 21 de setembro deste ano.



Chegando ao local, fora constatado a veracidade das informações. Além da aglomeração, fomos informados de que a o organizador da festa , seria o Senhor: Antônio Carlos de Alencar Gomes, porém, quem estava sob a responsabilidade da Portaria, seria  o cantor (José de Freitas), que evadiu-se do local com a presença da equipe, também não fora informado a previsão, para o término do evento.

Vale salientar que com a chegada da Guarnição e da Vigilância Sanitária e após o anúncio da interdição do evento, houve reações de muita hostilidade por parte dos frequentadores, que passaram a desrespeitar a PM e a equipe da Saúde, com ameaças e abordagens intimidatórias, alegando aqueles: (que dois PM’s) não seriam suficientes para acabar com a festa e iriam permanecer no local, até o final do evento, pois haviam pagado para assistir, a mais uma atração musical.

Diante dos fatos e na impossibilidade de coibir as agressões verbais, esta guarnição deteve-se ao papel de proteger-se e proteger o pessoal da Vigilância Sanitária.

               A situação somente foi contornada, com a chegada das Guarnições da Patrulha Rural e da Força Tática, que possibilitaram a conclusão do procedimento, após a localização do responsável pelo evento, o Senhor: Antônio Carlos de Alencar Gomes, que foi notificado e  recebeu a ordem de fechamento daquele estabelecimento comercial,  por um período de quatorze dias.

Antônio Carlos disse em nota que se ausentou porque estava tentando entrar em contato com seu advogado.


No sábado uma festa que era realizada na Art'Chopperia também foi encerrada.


CZN com Ângelo Lima