Polícia Civil Confirma prisão de mãe de criança morta pelo Padrasto em Cajazeiras Polícia Civil Confirma prisão de mãe de criança morta pelo Padrasto em Cajazeiras Polícia Civil Confirma prisão de mãe de criança morta pelo Padrasto em Cajazeiras

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Polícia Civil Confirma prisão de mãe de criança morta pelo Padrasto em Cajazeiras




 


 Em contato com a Polícia Civil de Cajazeiras na manhã desta segunda-feira dia 16, nossa reportagem foi informada que a mãe da pequena Ana Laura Tavares Bandeiras de 03 anos morta pelo Padrasto  identificado como Matheus Quirino da Silva, 21 anos, Daniele Tavares Bandeira, 24 anos foi presa, após os procedimentos sobre a morte da criança ocorrida ontem  Cajazeiras.

Veja a caso:


Por volta das 14h45, uma guarnição da PM foi solicitada pelo Centro de Operações da Polícia Militar, informando que duas Assistentes Sociais  repassavam o comunicado de que havia dado entrada no Hospital Regional de Cajazeiras, uma criança identificada como Ana Laura Tavares Bandeira, 03 anos, com graves escoriações na região abdominal e que apesar de vários procedimentos da equipe médica de plantão daquela Casa de Saúde, momentos depois a criança entrou em óbito.

Segundo informações das Assistentes, o Investigado,  Matheus Quirino da Silva, 21 anos. após deixar a criança juntamente com Daniele Tavares Bandeira, 24 anos (Genitora da criança), evadiu-se do local, juntamente com o Senhor José Mangueira de Sousa, que prestou o apoio no socorro da criança até o HRC.

Momentos depois, o Senhor José Mangueira juntamente com o investigado, retornaram ao Hospital, quando foram abordados por uma Guarnição da Força Tática e em seguida, Matheus Quirino (Investigado), confessou que seria o autor dos hematomas que ocasionaram o óbito da criança de 03 anos de idade.

Vale salientar, que outra menor, também filha de Daniele Tavares, estava no momento em companhia do investigado e o Senhor José Mangueira, sendo esta assistida por dois membros do Conselho Tutelar e que após ser submetida a um laudo de ofensa física, fora constatado vários hematomas na região frontal do crânio e dorso, inclusive com perigo de vida.

Diante dos fatos, as partes envolvidas foram submetidas a Laudos de Ofensa Física no Hospital Regional de Cajazeiras e reconduzidas a Central de Polícia Civil, ficando a disposição da Autoridade Plantonista.

A mulher já está na cadeia feminina à disposição da Justiça.