Matou para não morrer. Juíza manda pra casa mulher que matou homem que lhe agrediu e estuprou Matou para não morrer. Juíza manda pra casa mulher que matou homem que lhe agrediu e estuprou Matou para não morrer. Juíza manda pra casa mulher que matou homem que lhe agrediu e estuprou

BANNER PRINCIPAL

BLOCO pequeno I

SUPER BANNER

SUPER BANNER

Matou para não morrer. Juíza manda pra casa mulher que matou homem que lhe agrediu e estuprou





Nesta quarta-feira (20) a juíza Francilucy Rejane de Sousa Mota determinou a soltura de Maria Alcione, que foi presa nessa terça-feira, 19, após confessar ter matado um homem no bairro de Mangabeira, João Pessoa.

A mulher ficará em liberdade sem uso de tornozeleira eletrônica, devendo apenas permanecer em casa no período da noite.

Histórico

Francilucy tem de 41 anos, foi presa suspeita de matar um homem, de 45 anos, em Mangabeira, na Zona Sul de João Pessoa, na manhã de terça-feira, 19, com um tiro na cabeça. Ela relatou que sofria perseguição e ameaças pelo homem, e que também teria sido estuprada por ele quando era adolescente.


A vítima utilizava tornozoleira eletrônica, possivelmente, segundo o delegado Ademir Fernandes, porque foi condenado pela morte do esposo da suspeita do crime, cometido há 3 anos.

De acordo com o delegado, a mulher contou que a vítima apareceu em seu local de trabalho, num boxe próximo a um shopping do bairro, no último sábado (16). “Se não fosse eu, meu filho teria matado ele”, afirmou a mulher suspeita de cometer o crime.

A mulher, que tem 10 filhos, foi rendida por um homem, que trabalha como segurança e estava no local. Ela disse que estava juntando dinheiro para comprar uma moto, mas, ao sofrer ameaças e perseguição, decidiu comprar a arma, na feira de Oitizeiro, para cometer o crime.