[Fechar]

Carmelita Gonçalves: uma vida voltada para a educação do sertão paraibano


    



Neste domingo, 22, dona Carmelita, tia Carmelita ou professora Carmelita, como é popular e carinhosamente tratada, a professora Carmelita Gonçalves completa 94 anos de vida.

Dona Carmelita dispensa maiores apresentações, sendo parte integrante a historiografia cajazeirense e paraibana tanto no tocante a luta da mulher sertaneja quanto no quesito educacional do interior nordestino.

Para humildemente homenageá-la trago, como pai de ex-alunos de seu educandário, um muito obrigado! Meus filhos são hoje muito da educação escolar recebida de Dona Carmelita.

Lanço mão de parte de um artigo de Débia Suênia da Silva Sousa, publicado na revista HISTEDBR On-line, Campinas, de 2010, que reproduz aspectos interessantes desta que é, com certeza, uma das baraúnas da educação cajazeirense e sertaneja.

PARABÉNS TIA CARMELITA


“Carmelita Gonçalves: uma vida de dedicação ao ensino

Originária de uma família abastarda, Carmelita Gonçalves nasceu em 22 de julho de 1924, no Sítio Barra do Catolé, município de Cajazeiras, estado da Paraíba, filha do Coronel Manoel Gonçalves Dias e Hortência Gonçalves. Desde criança, tinha interesse de entrar para ordem dos Carmelitas Descalços, mas por fatalidade, após a morte de seu pai, o rumo de sua vida é modificado. Forçada pelas circunstâncias, fica em Cajazeiras, ajudando na criação dos seus irmãos. Nunca se casou, hoje vive em sua casa e também no seu Colégio na companhia de seus familiares. Ao concluir o Curso Normal em 1943, no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, funda nesse mesmo ano a Escola Nossa Senhora do Carmo, passando a Colégio no ano de 1986.

Assim, desde 1943 até os dias atuais, Carmelita Gonçalves está a frente da educação desenvolvida no Colégio Nossa Senhora do Carmo, com funções distintas, a saber: professora de língua portuguesa e diretora. Nesse sentido, pode-se dizer que conseguiu desde cedo ultrapassar os limites impostos à mulher no campo educacional, pois sabe-se que historicamente existe um vínculo e uma certa naturalização do espaço da sala de aula como apropriado para a mulher, o mesmo não acontecendo com o cargo de gestor, que predominantemente esteve nas mãos dos homens, embora esse quadro venha sofrendo alteração nos tempos mais recentes. Todavia, deve-se assinalar que a professora Carmelita detinha uma condição favorável a essa ruptura: recursos para abrir sua própria escola. E pelo êxito que sua instituição tem logrado ao longo desses anos, pode-se dizer que detém também as características necessárias a uma boa gestora.

O Colégio Nossa Senhora do Carmo, continua sendo referência na educação cajazeirense, uma vez, que hoje, se alargou o número de escolas e colégios na cidade. Quando o mesmo surgiu os colégios que se destacavam era o Colégio Diocesano de Padre Rolim e o Colégio Nossa Senhora do Carmo, na rede privada de Ensino, na rede pública era o Colégio Polivalente, Colégio Estadual e o Colégio Dom Moisés Coelho. Sabe-se que nos dias atuais, o Colégio Diocesano de Padre Rolim não existe mais, outros Colégios da rede privada atuam na cidade como, por exemplo, o Colégio e Curso Definição GEO, o Colégio Alternativo Máster, dentre outros, mas, mesmo com toda expansão de colégios e escolas o Colégio de Carmelita se destaca. Quando chega alguma família nova, na cidade, ao procurarem o melhor lugar para matricularem seus filhos, o Colégio de Tia Carmelita é indicado por sua dedicação ao ensino em Cajazeiras por mais de seis décadas.”

Fernando Caldeira

Carmelita Gonçalves: uma vida voltada para a educação do sertão paraibano  Carmelita Gonçalves: uma vida voltada para a educação do sertão paraibano Reviewed by Ângelo Lima on 04:53:00 Rating: 5

Previsão do Tempo