Brasil derrota a Colômbia e avança à semifinal do futebol masculino








Com a vitória por 2 a 0 sobre a Colômbia, na Arena Corinthians, com gols de Neymar e de Luan, a seleção olímpica de futebol masculino avançou às semifinais dos Jogos do Rio. Enfim a caminho da cidade da Olimpíada, a seleção enfrentará Honduras, nesta quarta-feira, às 13h, no Maracanã.

Os hondurenhos, que já haviam eliminado a Argentina na fase de grupos, bateram a Coreia do Sul por 1 a 0, no Mineirão, e avançaram à semifinal. A outra semifinal será disputada entre Alemanha e Nigéria.

Com a Arena Corinthians recebendo mais de 40 mil torcedores, o Brasil encontrou um adversário técnico e catimbeiro pela frente. Os primeiros minutos do clássico olímpico sul-americano foram de chegadas fortes, cotoveladas, cartões e catimba. Até parecia Libertadores. Com uma marcação forte, a Colômbia contava com um erro brasileiro. E ele quase veio aos sete minutos, quando Rodrigo Caio recuou para Weverton. O goleiro demorou a chutar a bola e Preciado se jogou de carrinho. Por sorte, a bola espirrou para a linha de fundo.



Leia mais:
Cotação ZH: Neymar e Luan entre os melhores da seleção contra a Colômbia
Honduras vence nas quartas e pega o Brasil na semifinal
Possível final entre Brasil e Alemanha nos Jogos do Rio gera onda de memes

O Brasil ainda não tinha conseguido articular um grande ataque, mas Gabriel Jesus foi derrubado na entrada da área — em um revide de Palacios. Com uma barreira muito mal feita, formada por apenas três jogadores, Neymar correu para a bola e chutou à meia-altura, a bola passou por um generoso rombo e entrou na cantinho direito de Bonilla.

O gol de Neymar pareceu abalar os colombianos, que passaram a ter dificuldade para articular no meio-campo — onde Walace e Renato Augusto se mostravam firmes no primeiro combate. Aos 38 minutos, Lerma acertou o camisa 10 por trás. Na sequência do jogo, Neymar deu o troco, pegando Roa, também pelas costas.

A confusão foi formada, envolvendo até os bancos de reserva, tudo muito parecido com Libertadores e bem distante do espírito olímpico. O árbitro Cuneyt Cakir precisou chamar os dois treinadores para que acalmassem os jogadores em campo. Mas de pouco adiantou. Os colombianos pareciam confundir a modalidade. Em vez de futebol, boxe. Passaram a bater em Neymar e em Jesus. Uma expulsão parecia iminente.

No segundo tempo, a Colômbia voltou com o herói da Libertadores, o atacante Miguel Borja, autor do gol do título da América para o Nacional de Medellín. Com os nervos no lugar, os colombianos voltaram a crescer na partida. Weverton fez duas boas defesas, logo nos primeiros minutos. Em seguida, Luan bateu a gol, a bola foi cortada pelo braço de Balanta, mas o árbitro não marcou o pênalti.

Com as duas equipes dotadas de um maior espírito olímpico, o Brasil ainda teve a chance de ampliar com o cabeceio de Rodrigo Caio e a boa defesa de Bonilla. Para dar mais resguardo defensivo à seleção, Rogério Micale sacou Gabriel Barbosa e colocou o volante Thiago Maia em campo, a fim de controlar os ataques colombianos. E deu certo. O Brasil se defendeu melhor e passou a buscar os contra-ataques. Ao final, Neymar encontrou Luan, que encobriu Bonilla, marcou um golaço e conduziu o Brasil às semifinais da Olimpíada.


Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP
A Colômbia ainda precisou ouvir os gritos de "eliminadoooooo" saídos da arquibancada.

Agora, restam dois jogos para que a seleção masculina obtenha o inédito ouro olímpico. O primeiro passo é vencer Honduras, no Maracanã.

Jogos Olímpicos do Rio
Quartas de final — 13/8/2016

BRASIL
Weverton; Zeca, Rodrigo Caio, Marquinhos, Douglas Santos, Walace Renato Augusto; Luan, Gabriel Jesus (Rafinha, 43¿/2°), Gabriel Barbosa (Thiago Maia, 21¿/2°) e Neymar (A)
Técnico: Rogério Micale

COLÔMBIA

Bonilla; Palacios (A), Deivy Balanta, Tesillo, Cristian Borja; Lerma (A), Barrios (A)(Perez, int.), Roa (Rodriguez, 34¿2°); Pabón, Teo Gutierrez (A) e Preciado (A)(Miguel Borja, int.) (A).
Técnico: Carlos Restrepo

Gols: Neymar (B), aos 11min do primeiro tempo e Luan (B), aos 38min do segundo tempo
Público: 41.560
Arbitragem: Cuneyt Cakir, auxiliado por Bahattin Duran e Tarik Ongun (trio da Turquia)
Local: Arena Corinthians, em São Paulo

*ZHESPORTES