"Não dói no útero, dói na alma", diz vítima de estupro coletivo




A menor estuprada por 33 criminosos no Morro da Barão, na Praça Seca, em Jacarepaguá, usou as redes sociais para agradecer o apoio de milhares de internautas do país inteiro. C.B., de apenas 16 anos, passou a noite em casa com a família e, na manhã de hoje, modificou a foto de seu perfil, incluindo o lema que ganhou força nas últimas horas: "Eu apoio o fim da cultura do estupro". "Não, não dói no útero. Dói na alma", afirmou a jovem. "Realmente pensei que seria julgada mal, mas não fui."

Menor vítima de estupro coletivo deixa hospital no Rio

Mais de 5 000 pessoas curtiram sua postagem no Facebook e centenas escreveram mensagens de solidariedade à adolescente em apenas duas horas: "Muita força pra você!! As mulheres do Brasil todo estão do seu lado", escreveu uma jovem do Rio de Janeiro. Outra, de Fortaleza, acrescentou: "Essa luta não é só sua. É nossa! Não se sinta sozinha flor. Vai dar tudo certo".

Em nota, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, repudiou o ato de violência praticado contra a menor e se colocou "à disposição da SSP/RJ para auxiliar nas investigações" e afirmou que "discutirá na próxima terça feira com os Secretários de Segurança do País o tema violência contra a mulher". "O estupro representa a maior violência à dignidade da mulher e deve ser duramente reprimido.", afirmou Moraes.

A presidente afastada Dilma Rousseff também usou as redes sociais para manifestar seu apoio à adolescente. Pelo Twitter, Dilma afirmou que presta total solidariedade à menor de idade.

Fonte: Veja